Março Azul Marinho contra o câncer colorretal: Amvap-Saúde realiza exame que é a chave da prevenção

O nome é comprido e um pouco difícil de pronunciar – colonoscopia, mas o exame é indispensável para prevenção do câncer colorretal que marca a campanha “Março Azul Marinho”, exatamente de prevenção a esse tipo de câncer. O câncer colorretal é um tumor que atinge o reto do intestino grosso. Ele é o terceiro tipo de câncer com maior incidência entre os homens, atras apenas do câncer de próstata e de pulmão.

O primeiro passo para realização do procedimento é a consulta com um médico, depois levar o pedido para Secretaria da Saúde do município associado ao Consórcio que fará ao agendamento do exame.

“É um exame até certo ponto caro, que não é acessível a toda população no geral. Mas a forma de ser oferecida pelo sistema SUS ou por intervenção do Consórcio, é fundamental porque não tem uma discriminação por renda, por exemplo”, explica Dr. Cairo Fernandes de Brito, médico do Consórcio e especialista em colonoscopia.

O aposentado Ismael Meira, de 68 anos, saiu de Tupaciguara para receber o atendimento na clínica do consórcio em Uberlândia. Ele conta que o surgimento de sangue nas fezes foi um sinal de alerta. “Aí tá fazendo o exame para identificar e ver se elimina o problema”.

Já é a terceira vez que realiza o exame na clínica do Amvap-Saúde. Mas já precisou consultar em uma clínica particular e pagar pelo serviço. “Antes do exame aqui, tive que pagar R$ 600,00 pelo exame em uma clínica particular. Por isso, hoje, foi muito importante receber este atendimento aqui sem custo”, afirma Ismael Meira.

Na colonoscopia, um tubinho flexível com uma câmera na ponta é introduzido no intestino e faz imagens que revelam se o paciente tem algum tumor. 

A lista de preparo para o exame tem importância e deve ser seguida à risca. Qualquer deslize nas recomendações dos médicos pode alterar o resultado e diagnosticar problemas inexistentes.

“Antes da realização do exame é preciso de um preparo, que pode incluir uma certa restrição alimentar, com dieta mais líquida, pastosa. Além do preparo, é bom tomar líquidos de cor clara, o leite deve ser evitado, e até o uso de laxante é recomendado”, explica Dr. Cairo Fernandes de Brito.

Dona Dalva Irene Mirian Cardoso, que é esposa de Ismael Meira, veio junto com ele para fazer o exame. Uma alteração nas fezes somado ao histórico familiar foram os motivos para procurar o atendimento pelo Consórcio Amvap-Saúde.

“Na minha família, perdi um tio aos 50 anos com câncer no intestino, então nós precisamos de cuidar da saúde”, conta a aposentada.

Muitas dessas mortes poderiam ser evitadas com o diagnóstico precoce. A taxa de sobrevivência das pessoas diagnosticadas e tratadas na fase inicial é de mais de 90% nos primeiros cinco anos.

A colonoscopia faz parte das diretrizes internacionais de prevenção e está indicada em todos os indivíduos acima dos 40 anos de idade. Nos casos de pessoas com história familiar para câncer do intestino, o exame deverá ser realizado mais cedo, a critério do médico que acompanha o paciente.

“Hoje sabe-se que a colonoscopia é um dos exames mais importantes para prevenção de qualquer câncer. Então, por isso, é tão fundamental o procedimento nas fases precoces, e não só na etapa mais avançada. Normalmente, as fases iniciais são totalmente assintomáticas, porque quando aparecem sintomas são de tumores avançados ou lesões que o tratamento é mais caro e o resultado às vezes não é tão eficaz”, recomenda o médico Dr. Cairo Fernandes Brito.

O câncer de cólon e reto é um dos mais comuns no Brasil. O Instituto Nacional de Câncer estima que o país teve 41 mil novos casos diagnosticados só em 2021 e, quando se fala nessa doença, a demora no tratamento pode ser fatal.